25.1.10

Vale a pena ler de novo : Essepê


(Minha imodesta homenagem - Feliz aniverário SP!)
ESSEPÊ
São Paulo, cidade de
São Paulo, essepê
Semáforos em transe...
Primeira geração digital e pré-história na 23 de maio engarrafados/
Cemitério do Araçá guarda meus mortos, benza Deus!
Cidade,metróple,megalópole,
Abrigo e túmulo de migrantes
Mistura terminal e casa modernista/
Presídio que vira praça
Praça que vira presídio...
Paradoxos, xerox, compro ouro!
Massas e I pod, café expresso na galeria Olido
Avenida Paulista, rolex que brilha sob a chuva ácida
Cine Vera virou casa de forró
Mendigos embaixo do viaduto celebram com CO2 o sucesso do novo plano urbanístico
Miséria high tech?
Luz, Tiradentes...Onde andará a menina linda da avenida Água Fria?
Cidade mãe com nome de santo - cidade travesti ou...
...Medéia ensandecida que mata seus filhos com hamburgers
Aristocracia de 450 anos em banheiras J'Accuse!
Zola nunca te imaginaria assim tão germinal
Burguesia de Caras maquiadas, sorry dentes no programa de TV
Periferia mardita, fossa, poço artesiano onde falta cano
Well then what can a poor boy do
Except to sing for a rock 'n' roll band
Serra da Cantareira, horto florestal, domingueira subalterna
Operário dormindo no vagão, 19 horas em ponto/
Pichação no monumento das Bandeiras: - Empurra que vai!
Movimento CON CRE TO
Reconhecimento de gêmeos pichadores globalizados
London Calling...motoboys em ação, zig,zag...movimento abstrato
Cada um por sí e Deus contra!
Cadê o chá das 5 do Mappim?
e a Barão de Hip Tapete ...Ninja? - Quero um calçado de cromo alemão!
Uma anta no vale do Anhangabau pergunta por Macunaíma...
- Cadê o coração dos outros?
Cinema boca do lixo, Bandido da luz vermelha/ O grande momento!
Onde antigamente tinha erva mate e hoje corre um rio sufocado,
achei o Buraco do Adhemar!
Viaduto Santa Efigênia dourado? São Bento corado? Angelus e sino tocando
Meio dia macacada! Uma hora para o almoço, cartão de ponto...
Mário, arrebenta tua lira! Arlequinal, arlequinal... escarra no Minhocão
Desvia as águas espraiadas para o Tietê, marginal!
Paca, tatu, cotia não...Paca, tatu, cotia não!
Perderam meu nonno Gaetano na revolução de 32
Punk e Emos fora de lugar, Tarsila cadê meu "Estadão"?
Tá com o Lobato lá no Sítio!
Estatuto do coração, Raízes do Brasil, Rua Cuba, anime, mangá
- Mano me dá uma mano, che!
Bolivianos escravos costuram o bom retiro
Guevara se perdeu na mata hermano, ahora ninguém é de ninguém na vida todo passa
Coreanos enjaulados à espreita no container - Haverá um mundo lá fora?
O Torá, onde está, amici miei?...
Lá sei eu! Eu não sou daqui, tô de passagem...
Espanca o cara meus! Mói os ossos do tapuia , depois joga no Museu do Ipiranga,
Proclama a independência! /
Faz uma tatuagem, e o perito que não chega!
Arigatô, Sharihotsu!
Cidade provisória, casas de pedra só em Santos!
Tudo a ver na Sloper, Dalu, fashion Week, Bienal, Anhembi, Galerias, Shopping Centers/
Rua Alasca
- Nada vejo, a não ser neblina, vou bater o coco...
Crack! Boa Vista, Largo São Francisco, Ladeira da Memória
Cidade fantasmagórica, lume móbile na cracolândia
Teatro Municipal leva ópera que barra funda! Que barafunda!
O tenor canta a soprano...o rei da vela pede smoke
Arquitetura em transe...Copan e Morumbi,
FAU, vão central, Masp, cadeiras de Lina Bo...
Ladrões de Picasso e Portinari correm para o Embu
E eu com isso, Guaçú!?
Pizzas e sábados todos iguais...Padaria cheia
Casa Verde , Mandaqui, manda ali...Mercadão, mortadela!
Me dá um bauru, mas sem picles!
E aqueles ojos verdes? Eu os comeria a vinagrete.
Chaminé sozinha em Santana observa um templo
fiéis às pencas...
O padre en-canta o Ibirapoeira
Mooca imortal, rua dos Italianos...
Vila Galvão, Trem das Onze/ Arnesto nos convidou prum samba, ele mora do Brás/
Nóis fumo e não encontremo ninguém...
O Bexiga canta numa cantina
Pão quentinho , inigualável, macarronada da mamma
Homenagem aos mortos do massacre da Armênia ao lado do Tamanduá-teí
Baladas, xavecos, playboys, hip hop...
Putas na Augusta e o movimento perpétuo
Na Aurora mulheres da vida sonolentas sacodem os quadris nos inferninhos
- Manda um "Fogo Paulista" goela abaixo e esquece...
Meu pai remando no Tietê. Sai daí véio!
Priscila rainha do deserto do Tucuruvi abre o casaco em frente ao Belas Artes
Nos subterrênos da Consolação o Primo Basílio conversa com Elias Canetti
Enquanto na Baixada do Glicério, no Paulistano da Glória homens negros elegantes esquentam os tamborins, Vinicius se enganou redonda-mente
Liberdade e Paraíso viraram estações, meu Deus, onde está a Sé nisso tudo?
Marco Zero da civilização! Capital monopolista, pirâmide da indústria , topo panóptico da America Latina!
Borba Gato tá se achando!
Cidade sem outdoors...tem cimento no meu capuccino!
Helicópteros levam a nova classe
por cima dos edifícios e antenas
captam o som da nova era : Não é o Som de Cristal. - Já era! - Qual a cotação da Bolsa de Valores, primo? Te liga no Mercado Futuro, tá ligado?
Ruído...- Desce um Pignatari!...
- Me serve um "Baião de dois"!...
Artigo do professor da USP explica o nacional-popular
A Gazeta é esportiva ...escadarias/ Cásper Líbero
Ao fundo ouço um gol...-Foi do Curintia ou do Parmera?...- Foi do Sumpaulo?
- Não , foi do Juventus...da rua Bariri. Você se alembra? É rua Javari, seu stronzo!
A mardita pinga que me atrapaia/
Veloz passa a noite e um novo sol nascerá violeta
atrás da nuvem cigana, milhões de carros como gafanhotos virão para o apocalipse
e novos baianos te curtem numa boa/ na Vila Madalena/
A espanhola perdeu o gato, seo Rubinato!
Praça da Res-púbica abrigava patinhos
A do Patriarca patrões...fascismus architetonicus no Anhangabau da felicidade
Cavo e no fundo do quintal, acho um cachorro morto,
É um lobo! É um lobo? É cachorro, meu pai jogou no bicho/
E esse livro do Engels embaixo das tábuas do assoalho? Isso é conto da carochinha...Vire a página! -Quem hoje quer saber a história da Família e da Propriedade Privada? Sem essa...
Esqueci de chorar na rua Barão de Limeira.
Lá passei minha adolescência. Quando fiz 18 anos me mandei pra São Miguel Paulista...
Fui ser químico, zio Vincenzino...encher de mata-baratas latas de aerosol. Mas isso foi em Santo Amaro...fazia um frrrrio!!! Como tem santo nessa terra de Piratininga!
-Matou alguma barata figlio mio? - Necas, mas nunca mais peguei pulga. Kafka aqui ia se dar bem.- Ciao bambino, ciao...
Onde é a saída, zio?
-Pega a marginal Pinheiros e dobra à direita, sempre à direita...
-Eu volto, um dia eu volto, Voltolino!...

2 comentários:

Pedro disse...

Gostei muito meu pai, dessa sua poesia entre sonho memoria e halucinaçao. Me lembrou o personagem de tres tristes tigres que associa palavras e brinca com elas. Saudades, nao de Sampa.

LIBERATI disse...

Querido filho, saudades de você, muitas, muitíssimas , mesmo de nós em Sampa, em Roma, em Paris...dos nossos papos sobre literatura, Canudos, Cinema, J.D. Salinger, John Fante, Cabrera Infante. Sobre Essepê - carrego esta cidade em mim, contra ela tenho lutado , mas a cidade na qual vivi não existe mais, não me reconheço nela. O boliche da Avenida São João está sepultado por um supermercado sob um viaduto monstruoso.
Que bom falar com você aqui no nosso boteco virtual. Você como os personagens de Três tristes tigres deve estar experimentando o sentimento do que é habitar uma ilha. Quando estive um Cuba, ouvi um homem dizer que é estranho habitar uma ilha, você sente necessidade de ter outras terras por perto, ampliar seu horizonte por outros caminhos, ter vizinhos, mas só encontra o Oceano, o rugir das ondas, o risco de ter que enfrentá-las. Nós que vivemos nossas vidas, ou boa parte delas num país Continente, ficamos sem saber o que dizer diante de uma confissão dessas. Mas o que importa é que você está feliz na sua ilha, com suas cidades nomeadas por muito santos.
muitos beijos em você e em sua esposa,
ciao meu bambino! Ganhei meu dia com este seu comentário.