16.1.17

Desenhando mãos - parte 3

Da série "Sobras de trabalho": Mão que escreve e que desenha. O primeiro feito com canetinha de nanquim, na técnica de bico de pena. O segundo uma distorção feita por meio do programa Photoshop imitando pintura feita com óleo sobre tela. E aqui termina essa série.
(Clique nas imagens para ampliar e VER melhor)

13.1.17

Desenhando mãos- parte 2

Da série "Sobras de Trabalho" : Mãos que escrevem e desenham. A primeira foi feita na técnica de pintura com tinta acrílica sobre papel Canson. A segunda feita usando o programa Photoshop com aplicação de cores chapadas.

(Clique nas imagens para ampliar e VER melhor)

10.1.17

Desenhando mãos


Da série "Sobras de trabalho": Mão que escreve, que desenha - a primeira só no traço, a segunda feita com uso de ecoline e aquarela de tubo. (amanhã tem mais)
(Clique nas imagens para ampliar e VER melhor)

7.1.17

Hasta siempre, Roberto Piglia...

Sei que você merecia coisa melhor, uma caricatura no capricho, mas infelizmente só tenho esse retrato mal traçado para esse momento triste. Pois é a "máquina de escrever" vai continuar a sua tarefa infinita de representar o mundo e os mundos dentro dele com suas histórias engendrando outras, enquanto você faz a travessia, caro Roberto Piglia, e para lembrar você para nossa desmemória tão zelosa em esquecer nossos gênios, vou copiar o trecho inicial de seu "Laboratório do Escritor" (Editora Iluminuras / 1994, página 35): "Desde que comecei a ler, quis ser um escritor, mas entrei realmente na literatura aos dezesseis anos. Em 1957 comecei a escrever um Diário, que continuo escrevendo e que cresceu de um modo um pouco monstruoso. Esse diário para mim é a literatura, quero dizer que aí está, antes de mais nada, a história da minha relação com a linguagem. Eu escrevia para tentar saber o que era escrever..." Prometo fazer uma carica sua com todo meu afeto. Hasta siempre Ricardo Piglia! (24/11/1941 - 6/ 1/2017)

6.1.17

Sai do forno novo livro intrigante de Daniel Pennac: "Diário de um Corpo"

(Clique na imagem para ampliar e VER melhor)

Acaba de sair do forno o livro "Diário de um Corpo" (Editora Rocco) do intrigante escritor Daniel Pennac, nascido em Casablanca, que sacode a literatura francesa contemporânea.
Tive o prazer e a honra de fazer a ilustração da capa. ( O livro logo estará nas principais livrarias do país )
Aqui vai o "relesase" que dá uma ideia do que é esse livro.

O celebrado autor francês Daniel Pennac (Diário de escola; Como um romance) apresenta em seu novo romance um narrador que tem como objetivo entender e se reconciliar com esse estranho tão íntimo: seu próprio corpo. De um acidente humilhante num campo de escoteiros durante a infância aos últimos estágios de uma doença terminal, esse homem traça o Diário de um corpo. Nele, em vez de se concentrar em examinar fatos e detalhes biográficos, decide se dedicar ao físico – pele, carne, olhos, dedos, pernas, dentes, secreções, dores e prazeres.

Aos 12 anos, o pavor de ser picado por formigas. Aos 16, cabelos oleosos, caspa, espinhas vermelhas no rosto, cravos no nariz, mamilos inchados. Aos 22, a possibilidade de finalmente voltar a sentir o sabor do café puro após o racionamento durante a Segunda Guerra Mundial. Aos 43, um calombo dolorido num dedo do pé e pólipos obstruindo as narinas. Aos 48, insônia crônica e zumbido no ouvido. Aos 55, uma mancha marrom no dorso de uma das mãos. Aos 62, esquecimentos repentinos e constantes de senhas, números de telefone, nomes, aniversários. Aos 67, uma constatação: “a partir de agora, meu corpo se constitui em um obstáculo entre o mundo e mim”. Aos 73, uma cirurgia na próstata.

A agonia chega aos 86. Os passos cada vez mais curtos, a tontura ao se levantar, a falta de fôlego, o joelho travado, a voz enrouquecida, o cansaço súbito, a multiplicação dos cochilos, um diagnóstico de câncer, as transfusões de sangue, a morte. Ao longo de todo o livro, no entanto, o leitor se aproxima da vida e da vitalidade de um personagem que se mostra por completo, em corpo e alma, através da transposição de seus cheiros, lágrimas, ereções, feridas e infecções em emoções, descobertas, temores e decepções. “Nós morremos porque temos um corpo, e toda vez é uma cultura o que se extingue”, afirma o narrador – e é justamente toda essa cultura intrínseca a um indivíduo que compõe a essência de Diário de um corpo.

Daniel Pennac cria um personagem que buscou, por meio do texto, proteger o corpo dos assaltos da imaginação e, ao mesmo tempo, a imaginação das manifestações intempestivas do corpo. O resultado é uma história de amor entre um homem e seu próprio organismo – e ainda que, inevitavelmente, o final não seja feliz, o processo é repleto de humor, ternura, questionamentos e uma linguagem poética que só um dos grandes escritores da atualidade pode ser capaz de engendrar.


O Autor
Daniel Pennac, nascido em Casablanca, Marrocos, em 1944, é considerado hoje um dos mais importantes escritores da literatura francesa. Autor premiado de ficção, ensaios, títulos infantis e peças teatrais, Pennac obteve pelo conjunto da sua obra o Grande Prêmio Metropolis Bleu, anteriormente atribuído a autores como Margaret Atwood e Carlos Fuentes, entre outros. A saga da Família Malaussène granjeou-lhe enorme sucesso internacional, assim como o ensaio Como um romance, uma verdadeira declaração de amor à literatura. Do autor, a Rocco publicou, entre outros, Como um romance e Diário de escola.










5.1.17

Luizinho Lopes lança CD "Falas Perdidas"

“Falas Perdidas”: Luizinho Lopes realça a força da palavra no quinto disco de sua carreira 

O novo álbum marca a plena fase poética do compositor, que assina sozinho a autoria de todas as letras e músicas do novo CD.
Entre sonhos, turnês internacionais, decepções e inquietações pessoais, nasceu o disco “Falas Perdidas”, do compositor, cantor e violonista Luizinho Lopes. O disco já pode ser conferido em diversas plataformas digitais, como Spotify, Deezer, CD Baby, entre outros.
            O álbum carrega o nome da segunda faixa do disco, fazendo alusão às “balas perdidas” e aos efeitos irreversíveis causados após seu disparo. Repleto de metáforas e simbolismos, as 14 canções trazem forte identidade mineira. Em seu escopo carrega percepções do compositor frente à criação poética, presentes nas canções “Poesia Vaza”, “Na Palma Da Minha Mãe” e “Lume”, a crise cultural pela qual o país enfrenta, e ao lirismo, quando tangencia paixões e desilusões amorosas. As impressões colhidas na turnê realizada em Portugal e Espanha, em 2015, também renderam frutos musicais, a exemplo da canção “Céu de Lisboa”.
Praticamente todo acústico, – com exceção da guitarra elétrica em duas canções - “Falas Perdidas” contou com a presença de 19 músicos, incluindo o consagrado quarteto de cordas carioca, o Quarteto Bessler.  Destaque para a participação de Ricardo Itaborahy (piano), que conduziu a produção, direção musical e os arranjos do disco (exceto “Profetaria”, arranjo do maestro paulistano Roberto Lazzarini), Toninho Ferragutti (acordeom) e Bré Rosário (percussão).  A masterização ficou por conta de Luiz Tornaghi (vencedor do Grammy Latino pela melhor engenharia de som, em 2008, com o álbum Dentro do Mar tem Rio – Ao Vivo, de Maria Bethânia).
“Foi o projeto em que mais trabalhei. Uma espécie de purgação, uma limpeza que precisava para espantar os diabos que estavam me molestando. Aí que a música ganha sentido para mim. Me dá um prazer de saúde, não física, mas psicológica”, comenta Luizinho.
“Falas Perdidas” foi gravado com recursos da Lei Municipal de Incentivo a Cultura Murilo Mendes de Juiz de Fora. O show de lançamento do disco ocorreu a céu aberto, no dia 17 de dezembro de 2016, em frente ao tradicional Cine Theatro Central, em Juiz de Fora (MG).
 
Biografia
Luizinho Lopes é natural de Pirapora (MG). Aos treze anos de idade mudou-se para a cidade de Juiz de Fora (MG), onde mais tarde graduou-se em Engenharia Civil pela Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF). Em 2007, concluiu pós-graduação na primeira turma de Cinema Documentário da Fundação Getúlio Vargas no Rio de Janeiro.
Iniciou a carreira musical no final dos anos 70, integrando o grupo Vértice de Juiz de Fora. Gravou os discos “Nem tudo o que Nasce é Novo” (1990), “Sertão das Miragens” (2002), “Noiteceu” (2008),  “Luizinho Lopes – CD\DVD - Ao Vivo (2014), e “Falas Perdidas” (2016). Em 2015, realizou turnê em Portugal (Lisboa, Porto e Amarante) e Espanha (Santiago de Compostela). Em abril de 2016, apresentou-se no 2º FIP LIMA (Festival Internacional de Poesia de Lima)-  (Lima), no Peru.
(Clique na imagem para ampliar e VER melhor)


28.12.16

Cartunzinho de ano novo

(Clique na imagem para ampliar e VER melhor)

22.12.16

Feliz Natal para quem é de Natal

(Clique na imagem para ampliar e VER melhor)

17.12.16

Caricatura do Jô Soares


Hoje (já madrugada) foi o último programa de entrevistas do Jô na Globo. Ele entrevistou o mestre Ziraldo.
Vai deixar saudades....Viva o Gordo!!!
(clique na imagem para ampliar e VER melhor)

15.12.16

É hoje, 15 de dezembro (quinta-feira) o lançamento do livro "A Cidade Mulher"


Acontece hoje o lançamento do livro A Cidade Mulher (1923), de Alvaro Moreyra, agora reeditado pela
Mauad Editora, acrescido de três artigos sobre a obra/autor, assinados pelas pesquisadoras: Cláudia Mesquita, Cláudia de Oliveira e Joëlle Rouchou.
O prefácio é da crítica literária Beatriz Resende.
O evento começa a partir das 19 horas, na Livraria da Travessa de Botafogo.
Todos lá!!!
(Clique na imagem para ampliar e VER melhor)

13.12.16

Do fundo do baú/ Ilustração: Flores artificiais

Ilustração feita para o old JB, com o uso dos programas Painter (Corel) e Photoshop.
(Clique na imagem para ampliar e VER melhor)

12.12.16

Lançamento do livro "Agora que morri", de Álvaro Nascimento acontece hoje no bar Ernesto


É hoje, segunda-feira, dia 12 de dezembro, o lançamento do mais recente livro de Álvaro Nascimento: "Agora Que Morri".
São 10 contos, 160 páginas, Benvinda Editora, R$ 35.
O envento vai rolar das 18 hora no Bar Ernesto - Largo da Lapa, 41 - Rio de Janeiro.(Ao lado da Sala Cecília Meireles).
(O estacionamento da Igreja em frente ao Ernesto abre a noite toda)

Vai rolar também uma promoção, de acordo com a editora do autor: Ela sugere que neste Natal você pode presentear com literatura nacional. Na compra de mais de um exemplar:

1. Recebe os exemplares já embalados para presente, autografados pelo autor, além de cada embalagem vir fechada com a etiqueta "De:.... Para:.....". É só você preencher e presentear.

2. Apoia a literatura nacional, presenteando com bom gosto parentes e amigos;

3. Contribui para recuperar o investimento feito na obra e financiar o próximo livro do autor;

4. Adquire parte dos presentes que vai dar sem ir a shoppings superlotados nesta época do ano.

Escolha a sua promoção:

COMBO "DIRETAS JÁ" – Compre cinco exemplares já embalados para presente e autografados (R$ 175) e ganhe do autor um sexto livro (com dedicatória e autografado) de presente para você.

COMBO "NENHUM DIREITO A MENOS" – Compre três exemplares já embalados para presente por R$ 90.

COMBO "MAIS DEMOCRACIA" – Compre um exemplar de “Agora que Morri” e um de “Os Homens a Cavalo” (livro anterior do autor) já embalados para presente e autografados por R$ 50.

ATENÇÃO!
Para a compra dos livros, dentro ou fora da promoção, não se esqueça de trazer cheque ou dinheiro. Infelizmente não o autor informa que não pode aceitar cartões.

(Clique na imagem para ampliar e VER melhor)

9.12.16

Exposição do design carioca no MAM


A mostra Oitis 55, Um Retrato do Design Carioca, com curadoria de Tulio Mariante, reúne projetos desenvolvidos pelo coletivo Oitis 55, formado por 23 grupos de designers contemporâneos do Rio de Janeiro.
Com a exposição, o MAM RJ dialoga com a experiência do trabalho coletivo, na qual a reunião de diversos talentos estimula a criatividade e a originalidade dos projetos, marcas importantes do nosso design.
O evento rola a partir do dia 10 de dezembro de 2016, no horário entre 15 e 18 horas.
(Clique na imagem para ampliar e VER melhor)

6.12.16

Lançamento da Coleção Verão16/17 da CURA


As designers Julia Liberati e Raissa Colela lançarão uma mini-coleção de roupas pintadas e bordadas da marca CURA no "evento- bazar" Celetivo Carandaí 25.
Quem quiser ver de perto é só dar uma passada na rua Fernando Magalhães, 299, no Horto a partir dessa quinta-feira, no seguinte horário: das 13 às 21 horas.
O evento vai rolar do dia 8 ao dia 11 de dezembro.
Todo mundo lá!
(Clique na imagem para ampliar e VER melhor)

4.12.16

Hoje o Brasil perdeu um de seus maiores poetas: Ferreira Gullar

(Clique na imagem para ampliar e VER melhor)

2.12.16

Dois livros de Tárik de Souza em um grande lançamento no Rio de Janeiro


O grande e bravo crítico de música Tárik de Souza, lança no dia 12 de dezembro de 2016 (segunda-feira, a partir das 19 horas) na Livraria Bossa Nova e Companhia, os livros Sambalanço, a bossa que dança- um mosaico e MPBambas (Editora Karup).
O evento vai rolar na Rua Duvivier, nº 37, Beco das Garrafas/ Copacabana
Todo mundo lá!
(Clique na imagem para ampliar e VER melhor)

Concurso Nacional de Caricaturas de Chico Buarque - nova chamada




Você é caricaturista? Curte Chico Buarque? Então não fique fora dessa!

Participe do Concurso “Quem te viu, quem te vê” de Caricaturas do Chico Buarque.
O prazo de entrega foi estendido para 31 de dezembro de 2016.
Os trabalhos selecionados vão entrar em catálogo que será publicado e também irão circular em exposição. A inscrição é gratuita e online.
As três melhores artes receberão prêmios em dinheiro!

Informações sobre regulamento, premiação e inscrição no site:
http://quemteviuquemteve.net.br/

Xilogravuras de Rubem Grilo em Vitória


Começa a partir do dia 8 de dezembro ( e vai até o dia 14 de janeiro) uma baita exposição das xilogravuras desse genial artista que é Rubem Grilo.
O evento vai rolar na Galeria OÁ - abertura no dia 8 a partir das 19 horas. Vai rolar também uma conversa com o artista às 20 horas.
A Galeira OÁ fica na Rua Aprígio de Freitas, nº 240 A - Consolação/ Vitória/ ES.
Horário de funcionamento: Segunda a Sexta-feira de 11 horas às 19 horas. Para visitas aos sábados tem que ter agendamento.
Agendamento:+5527 32275443/ 99944 5001
oaobjetoarte@gmail.com
(Clique na imagem para ampliar e VER melhor)

22.11.16

Saindo do forno: Livro de cartuns de João Zero


João Zero é craque, cartunista de traço singular (trabalha ainda com penas chinesas e nanquim),dono de um humor finíssimo capta como ninguém as contradições e o absurdo de ser "humano" demasiado "humano" nesse mundo em acelerado processo tecnológico.
Já emprestou seu talento ao publicar trabalhos no jornal Movimento, Jornal da República, Sunday News e Folha de S. Paulo. As revistas Visão e ISTOÉ também foram ilustradas por seus desenhos.
Na internet, mantém um site no qual vai nos brindando com seus cartuns (http://www.cartuns.com.br/), que como na boa tradição do cartum, produz aquele efeito quase de "iluminação", no sentido zen-budista: aquela descoberta da "sacada", aquele "toque" que te tira o sujeito do sério mundo quadrado, para te fazer pensar sorrindo.
O "João Zero SketchBook custom Volume I" além de trazer uma seleção de seus cartuns, valorizando o traço, mostra os rabiscos dos esboços em diversos estágios do processo de criação do humor gráfico.
Esse blog que vos fala teve a honra e o prazer de já ter publicado, ao longo de sua história, sensacionais (diria iluminados) cartuns do bravo João Zero.
Ao que parece um belo lançamento está sendo preparado pela editora. Vamos aguardar!!!

Viva João Zero!!!
(Clique na imagem para ampliar e VER melhor)

17.11.16

Exposição de Caricaturas no Centro Cultural Justiça Federal. No centro do Rio de Janeiro

A partir de hoje, dia 17 (quinta-feira) está rolando a A 2ª Bienal Internacional da Caricatura com uma exposição para celebrar o CENTENÁRIO do 1º SALÃO DOS HUMORISTAS DE 1916.
A exposição acontece nos salões do Centro Cultural Justiça Federal, Avenida Rio Branco, nº241 - 2º andar.
O CCJF fica próximo da Estação Cinelândia (RJ).
Olhe só as feras imortais que vão ser homenageadas por um time de caricaturistas contemporâneos: Luiz Peixoto, Raul Pederneiras, K.Lixto, J.Carlos, Amaro do Amaral, Fritz, Seth, Max Yantok, Belmiro de Almeida, Hélios Seelinger, Basílio Viana, Nemésio Dutra, Ariosto, Di Cavalcanti, Romano, Arthur Lucas – Bambino, Loureiro, Mora, Madeira de Freitas, Anita Malfatti. Além dessa exposição três outras homenagens estão lá , uma a Seth - pioneiro do desenho animado brasileiro, outra ao surpreendente caricaturista J.Ozon Rodrigues e uma simpática lembrança do saudoso cartunista Jorge de Salles.
A entrada é gratuita. Não é necessária a apresentação de convite.

Eu modestamente escolhi Fritz (1895-1969) para caricaturar por causa daquela escultura do "Pequeno Jornaleiro"(obra dele) que sempre esteve no centro do Rio anunciando "manchete do dia". O diabo é que dele só existe um registro fotográfico para servir de modelo. O desenho foi feito inteiramente com lápis de cor.
A exposição está muito bem montada. A curadoria foi feita pelo bravo pesquisador Lucio Muruci.
(Clique na imagem para ampliar e VER melhor)

12.11.16

Segunda Bienal Inernacional da Caricatura / Brasil 2016/2017/ Centenário do 1º Salão dos Humoristas ( 1916/2016)


A 2ª Bienal Internacional da Caricatura vai rolar com uma exposição para celebrar o CENTENÁRIO do 1º SALÃO DOS HUMORISTAS DE 1916.

Inauguração: 16 de Novembro, 19 h, no Centro Cultural Justiça Federal, Avenida Rio Branco, nº241 - próximo da Estação Cinelândia (RJ).

A exposição da vai relembrar (em interpretações realizadas pelos caricaturistas atuais que atuam na imprensa e na internet) os pioneiros geniais do humor gráfico brasileiro. Olha o time que vai receber homenagens "caricaturadas": Luiz Peixoto, Raul Pederneiras, K.Lixto, J.Carlos, Amaro do Amaral, Fritz, Seth, Max Yantok, Belmiro de Almeida, Hélios Seelinger, Basílio Viana, Nemésio Dutra, Ariosto, Di Cavalcanti, Romano, Arthur Lucas – Bambino, Loureiro, Mora, Madeira de Freitas, Anita Malfatti, entre outros.
Ao mesmo tempo vão rolar homenagens a Seth - pioneiro do desenho animado brasileiro, e aos caricaturistas J.Ozon Rodrigues e Jorge de Salles.
A entrada é gratuita. Não é necessária a apresentação de Convite.
(Clique na imagem para ampliar e VER melhor)

10.11.16

Inagura-se a fase do Reality-show-politik

Na História já tivemos Realpolitik (*), agora com Trump inaugura-se a fase do "Reality-politik-show"
(*) De acordo com imensa sapiência exibida na internet, essa forma de fazer política foi introduzida pelo chanceler do Reich alemão, Otto von Bismarck e significou, dito de forma curta e grossa: uma política pragmática, feita entre Estados desconsiderando as diferenças ideológicas.
(Clique na imagem para ampliar e VER melhor)

"Collagistas sin fronteras" no Brasil - Em Paraty, a partir do dia 11 de novembro



A abertura da exposição vai ser no dia 11 de novembro, a partir das 20 horas no seguinte local: Paraty Cultural /RJ - Casa de Cultura Câmara Torres , Rua Dona Geralda, 177 - Centro Histórico de Paraty.

(Clique nas imagens para ampliar e VER melhor)

8.11.16

Caricaturas de Trump e Hillary no dia da eleição americana

"Terra em Transe" estreia hoje nos EUA.
(Como fundo dessa ilustração usei uma versão distorcida por mim da obra "Three Flags" de Jasper Johns - feita em 1958, na técnica de encáustica, com sobreposição de telas (dimensões 79 x 115.5 x 12.5 cm) - trabalho que era da coleção de Mr. e Mrs. Burton Tremaine de Nova Iorque , até a data de 1970, de acordo com o livro "Movements of Modern Art - Pop Art" de Michael Compton)
(Clique na imagem para ampliar e VER melhor)

7.11.16

O iluminado Tom Jobim - 22 anos sem o maestro soberano

O iluminado Tom Jobim
22 anos sem o maestro soberano


Jorge Sanglard(*)

A música foi o grande chamamento da vida de Antonio Carlos Jobim (25/1/1927 Rio de Janeiro - 8/12/1994 Nova York, EUA). Em 67 anos de vida, Tom Jobim conquistou tudo o que um músico na essência poderia sonhar. O respeito pela obra, o reconhecimento no Brasil e a consagração nos Estados Unidos e pelo mundo afora. Ao ajudar a forjar a Bossa Nova com canções que se tornaram Standards, Tom projetou a música popular brasileira de qualidade e abriu espaço para o ‘jazz-samba’ no fechado mercado norte-americano, seduzindo jazzistas como John Hendricks, Charlie Bird, Stan Getz, Ella Fitzgerald, Ron Carter, Joe Henderson, Herbie Hancock, Shirley Horn, entre muitos outros, além de gravar com o cantor Frank Sinatra.
Antonio Carlos Brasileiro de Almeida Jobim. Brasileiro até no nome. E, como Heitor Villa-Lobos, foi um autêntico embaixador da criatividade musical do Brasil. Com paixão e por prazer, Villa-Lobos e Tom Jobim revelaram ao mundo a inventividade musical brasileira e se transformaram em símbolos da melhor música criada do Brasil.
A profunda ligação entre os irmãos Tom e Helena Jobim foi o fio condutor da biografia do compositor, maestro, arranjador, pianista, cantor e mestre da Bossa Nova intitulada “Antonio Carlos Jobim – Um Homem Iluminado” (Nova Fronteira), lançado no final de 1996, há duas décadas, no restaurante Plataforma, no Rio de Janeiro, para marcar os dois anos da morte de Tom Jobim. Helena Isaura Brasileiro de Almeida Jobim (Rio de Janeiro, 27 de fevereiro de 1931 - 13 de setembro de 2015, Belo Horizonte), encontrou forças após a morte do irmão em 1994 para vasculhar a memória e revelar a transformação que conduziu o companheiro de brincadeiras de infância a se tornar o maior músico brasileiro a partir da segunda metade do Século XX.
A cada página da biografia de Tom Jobim, escrita pela irmã Helena, fica a certeza de que sua vida era mesmo predestinada, como um preto velho de olhos clarividentes profetizara ao adolescente numa noite num bar de Ipanema. Em Minas, durante o lançamento da biografia, em 1996, a irmã escritora revelaria ainda que Tom sentia as forças da natureza e sabia que dentro da floresta ouviria temas inteiros de músicas. Tom Jobim sabia que os sons o procurariam.
Durante uma visita à fazenda mineira Paraíso, em Leopoldina, na Zona da Mata, aos 18 anos, Tom Jobim, depois de andar légua e meia penetrando na grande floresta, vendo o dia nascer lentamente, acreditou que tinha nascido e se criado para isso: tornar-se vulnerável no corpo e no espírito, ele inteiro apenas sensibilidade, sem medo desta fatal entrega. Era seu destino. Sua sentença. Não podia mais fugir. Chegou ao invisível portão da floresta. Mas antes de dar o primeiro passo para este reino, sentiu mais uma vez “o corajoso medo”, que mais tarde colocaria na letra de “Matita Perê”. É assim, denso, comovente e íntimo o relato da irmã Helena Jobim na biografia. Livro pra ser lido, relido e sentido sempre.

Um piano diferente e um baiano Bossa Nova

Em 1953, o piano diferente do autodidata Antonio Carlos Jobim já se destacava na noite carioca. Poucos anos depois, em 1958, o violão singular de João Gilberto se juntaria ao piano e aos arranjos de Tom para, juntos, reformularem a estrutura da música brasileira com a criação da Bossa Nova. O disco “Chega de Saudade” foi o abre-alas e, na contracapa, Tom elogiava João Gilberto: “Esse baiano Bossa Nova”.
Mas antes disso, o músico ainda trabalhou na Continental. Escrevendo música na partitura para os compositores que não sabiam colocar a melodia no papel. Essa, segundo a irmã Helena conta no livro, foi uma escola para Tom, que pode conhecer nos tempos da Continental compositores como Radamés Gnatalli (então o arranjador oficial da casa), Pixinguinha, Monsueto, Assis Valente, Ari Barroso, Jacob do Bandolim, Dorival Caymmi, Antonio Maria e muitos mais. Na Continental, Tom reencontrou Luiz Bonfá. Helena assegura na biografia que o irmão conhecera Bonfá como pescador anônimo nas pedras do Arpoador.
Entre muitas revelações, o livro trazia ainda o longo poema “Chapadão” escrito por Tom e que, segundo Helena, não deixava de ser seu auto-retrato: “(...) Quero a casa em lugar alto / Ventilado e soalheiro / quero da minha varanda / Contemplar o mundo inteiro / ... / Vou fazer a minha casa / No meio da confusão / Que o jereba se alevanta / No olhar do furacão / (...)”. Tom Jobim foi fascinado pelas palavras e obcecado pelas coisas do Rio de Janeiro e do Brasil. E lançou mão de todo esse sentimento e de todo o conhecimento e toda a identificação que tinha com a natureza para criar suas músicas.
Como irmã e amiga, Helena Jobim conviveu com Tom e essa trajetória compartilhada fez do livro “Antonio Carlos Jobim – Um Homem Iluminado” um relato emocionado e ao mesmo tempo afiado e afinado com a essência do grande compositor.

Um inusitado prefácio do amigo e parceiro Chico

O amigo e parceiro Chico Buarque de Holanda, um continuador da melhor tradição de compositores inspirados em Antonio Carlos Jobim, convidado para celebrar a memória de Tom no prefácio do livro de Helena Jobim, optou por vasculhar fitas gravadas domesticamente e transformou sua contribuição na biografia numa preciosidade: uma fita com registros inéditos, onde Tom e Chico, descontraídos, batem papo e o maestro, arranjador e compositor troca impressões musicais com o parceiro. E, o melhor, toca o piano e canta sem compromisso, mas esbanjando sensibilidade. A fita foi transformada em um CD, gravado pela Sony, e integrou o livro.
Helena Jobim também abriu os arquivos fotográficos da família e resgatou no livro fotos do irmão em inúmeras situações. Algumas inéditas, estas fotos revelavam a face iluminada do eterno Tom Jobim. A biografia ainda trazia depoimentos de amigos, familiares e músicos que compartilharam com Tom Jobim a vida e a música.
Tanto Tom quanto Helena tiveram no avô Azor Brasileiro de Almeida uma referência segura seja emocional seja criativa. Incentivador da leitura, o avô presenteou a neta com o primeiro dicionário e a primeira máquina de escrever. A sedução da palavra marcou definitivamente a trajetória dos irmãos Antonio Carlos Jobim e Helena Jobim. Em 1993, a escritora foi premiada com Destaque em Prosa, pelo conjunto de sua obra, pela União Brasileira de Escritores. Nessa biografia, de 1996, mostraria sua força narrativa ao revelar um pouco da alma musical de Antonio Carlos Jobim, cidadão brasileiro com um pé no mundo, mestre da Bossa Nova, essência musical do Brasil criativo.
E autor de clássicos como Wave (Vou te contar), Samba do avião, Amor em paz, Águas de março, Corcovado, Lígia, Luísa, Quebra-pedra (Stone Flower), Chega de saudade (c/ Vinícius de Moraes), Canção do amor demais (c/ Vinícius de Moraes), Garota de Ipanema (c/ Vinícius de Moraes), Ela é carioca (c/ Vinícius de Moraes), Insensatez (c/ Vinícius de Moraes), Eu sei que vou te amar (c/ Vinícius de Moraes), Se todos fossem iguais a você (c/ Vinícius de Moraes), O morro não tem vez (c/ Vinícius de Moraes), Só danço samba (c/ Vinícius de Moraes), Desafinado (c/ Newton Mendonça), Samba de Uma Nota Só (c/ Newton Mendonça), Dindi (c/ Aloysio de Oliveira), Inútil paisagem (c/ Aloysio de Oliveira), Anos dourados (c/ Chico Buarque), Eu te amo (c/ Chico Buarque), Retrato em branco e preto (c/ Chico Buarque), Matita perê (c/ Paulo César Pinheiro), para ficar só por aqui.
Ao celebrar os 20 anos da morte de Tom Jobim, em dezembro de 2014, foi inaugurada sua estátua em tamanho natural próximo ao Arpoador, na orla da praia de Ipanema, no Rio de Janeiro, criada pela escultora Christina Motta. Baseada em uma antiga foto de Tom Jobim com o parceiro Vinicius de Moraes, a estátua de Tom foi um presente da Prefeitura à cidade do Rio de Janeiro e à memória do maestro soberano.
(*) Jorge Sanglard é Jornalista e pesquisador. Escreve em jornais no Brasil e em Portugal
(Clique na imagem para ampliar e VER melhor)

29.10.16

Debate e lançamento de livro na USP, no dia 3 de novembro/ Assunto: Uma visão ampla da Estética Marxista

O evento duplo vai rolar no dia 3 de novembro (quinta-feira) a partir das 17.30 hs, na USP, mais especificamente na Sala 14 do Prédio de Filosofia e Ciências Sociais - FFLCH - USP/Av. Prof. Luciano Gualberto, 315, Butantã, São Paulo SP.
Nesse local, vai acontecer um debate cujo título-tema é "Estética Marxista: Bloch, Lukács, Brecht ou Adorno?". Ele vai reunir os professores Carlos Eduardo Jordão Machado, Arlenice Almeida da Silva, Jorge de Almeida e Tércio Redondo.
Em seguida, acontece o lançamento do livro "Um capítulo da história da modernidade estética" – 2ª edição", de Carlos Eduardo Jordão Machado (Editora Unesp) cuja capa publicamos abaixo.
No site da Editora da Unesp capturamos um resumo dessa obra de grande interesse para a compreensão da arte:
A obra reconstrói o debate sobre a vanguarda artística que mobilizou em momentos e em registros diferentes os principais pensadores marxistas de língua alemã no século XX, situando o pensamento estético de autores como Lukács, Bloch, Adorno, Eisler, Benjamin e Brecht. Nesta segunda edição, foram incorporados o capítulo "O 'debate sobre o expressionismo' como chave interpretativa da polêmica Adorno x Lukács", além de novas traduções de Lukács, como o inédito “Discurso proferido por ocasião do funeral de Bertolt Brecht” e o ensaio de Adorno “Reconciliação extorquida”.

(Clique na imagem do livro para ampliar e VER melhor)

Lançamento do livro "A brasilidade modernista - sua dimensão filosófica", dia 8 de novembro na Livraria da Vinci


No dia 8 de novembro (terça-feira, a partir das 18,30 horas, será "relançado" no Rio de Janeiro a nova edição revista e atualizada de um livro fundamental, há bastante tempo esgotado: A brasilidade modernista - sua dimensão filosófica do professor Eduardo Jardim.
O evento vai rolar na Livraria Leonardo da Vinci, na Avenida Rio Branco, 185 (Subsolo)
(Clique na imagem para ampliar e VER melhor)

28.10.16

Palmeiras tirando onda

Do raso do baú: Vou tirar uma onda, antes que a situação mude, he he (Vale lembrar que aqui no Rio sou Botafogo, que graças ao seu elenco valoroso não caiu e "corre o seríssimo risco" de ir para a Libertadores) Viva o futebol brasileiro!
(clique na imagem para ampliar e VER melhor)

26.10.16

Milton Nascimento....7.4 hoje 26/10/2016


Um cidadão de Juiz de Fora

Jorge Sanglard(*)


Com seu alegre e contundente canto de fé, esperança e sonho, Milton Nascimento (26/10/1942) se tornou um autêntico arauto da liberdade e, junto com outros companheiros de eterna travessia, teceu e entreteceu uma ponte para atravessar este verdadeiro oceano que é o Brasil. Ao mesmo tempo, Milton – como Gilberto Gil, Chico Buarque, Caetano Veloso – é o oceano atravessado e o barco que atravessa, e vai solidificando uma ponte sobre este mar. Essa feliz definição de Gilberto Gil sobre expoentes de sua geração sintetiza a essência musical de compositores que renovaram o panorama da MPB e permanecem atentos, como faróis. Afinal, Milton fez de seu canto um canal direto até onde o povo está, muitas vezes “com sabor de vidro e corte”, mas sempre semeando o sonho de liberdade e a esperança de ter fé na vida.
Para celebrar 50 anos de música, em 2012, o cantor e compositor escolheu para dar início às comemorações fazer um show “em casa”, no Cine-Theatro Central, em Juiz de Fora, num simbólico dia 21 de abril, quando Minas e o Brasil celebram o sonho libertário de Tiradentes e dos inconfidentes. E Juiz de Fora foi escolhida para essa celebração musical porque marca a vida e a trajetória de Bituca como poucas cidades deste vasto Brasil. E foi na Câmara Municipal de Juiz de Fora que o cantor e compositor teve reconhecido todo seu envolvimento com a cidade ao receber o título de Cidadão Honorário e a Medalha Nelson Silva, em 27 de novembro de 2009. Agradecido e emocionado, Milton sintetizou aquele momento: "Sou de Juiz de Fora desde que nasci". Ao ser homenageado, Bituca foi ovacionado de pé pelos juiz-foranos e reafirmou seu legado fecundo e viu confirmada a força de sua criação: sua música abre perspectivas para além de seu tempo. Sua obra é eterna.
A retribuição é por tudo que Milton fez pela MPB e por suas raízes encravadas na cidade mineira. Autor da proposta do título, quando vereador, Antônio Jorge Marques, ressaltou que a homenagem era uma retribuição da cidade a toda presença de Milton na vida de Juiz de Fora. Além dos fortes laços familiares, desde a década de 1970, Milton coleciona amizades em Juiz de Fora. Quando o médico e músico Márcio Itaboray lançou o livro "Assuntos de Vento", em 2001, com a presença de Bituca, esses laços foram revelados e, agora, com esta nova publicação sobre a trajetória e as amizades de Milton em Juiz de Fora, esses laços ficam consolidados definitivamente. Em maio de 2009, durante um show no Cine-Theatro Central, Milton afirmou com todas as letras: “Juiz de Fora é onde tenho mais amigos”. E seu parceiro de sempre, Fernando Brant, também não se cansa de bradar aos quatro ventos: “Em Juiz de Fora, eu sou de dentro”.
Na Manchester mineira, Milton também emprestou seu prestígio artístico para encabeçar lutas importantes pela preservação do patrimônio cultural. Foi de Bituca o slogan “Central, a emoção de todos nós”, que marcou as manifestações de amplos setores culturais pela preservação, pelo tombamento municipal e federal e pela aquisição pela Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF) do histórico teatro no coração da cidade. Símbolo da vocação de vanguarda cultural da cidade, o Cine-Theatro Central corria risco e passou a ser o alvo preferencial de uma campanha por artistas plásticos, músicos, atores, diretores teatrais, escritores e jornalistas num movimento que foi vitorioso e mostrou vigor. À voz de Milton em defesa da preservação do Central, se juntaram Tom Jobim, Ney Matogrosso, João Bosco, Sueli Costa, MPB4, Affonso Romano de Sant’Anna, Carlos Bracher, Dnar Rocha, Jorge Arbach, Bibi Ferreira e Rodrigo Pederneiras do Grupo Corpo.
Durante o governo Itamar Franco, tendo à frente do Ministério da Educação (MEC), Murílio Hingel, o Central foi tombado pelo Iphan, adquirido pela UFJF e restaurado na administração municipal de Custódio Mattos. Palco de diversas apresentações antológicas de Milton, desde os tempos do grupo Som Imaginário, o Theatro Central viu ao longo de cinco décadas Bituca revelar uma das músicas mais instigantes e vigorosas das Minas Gerais e ganhar o mundo com seu canto afiado e afinado com seu tempo. Mais carioca dos mineiros, Milton sempre marcou presença no Central para mostrar seus novos trabalhos musicais e sentir a reação do público juiz-forano. Aqui, Bituca sempre se sente em casa. E Juiz de Fora sempre soube e sabe muito bem retribuir todo esse carinho e generosidade.
A partir de 1962, como crooner no Conjunto de Célio Balona, Milton abriu alas, aos 20 anos, para uma das mais bem sucedidas trajetórias musicais brasileiras. Ao lado de Hélvius Vilela, Gileno Tiso, Wagner Tiso, Paulo Horta, Nivaldo Ornelas, Pascoal Meireles, Nazário Cordeiro e muitos outros expoentes da música em Belo Horizonte, Bituca marcava presença e amadurecia na noite e nos bailes da vida. Daí para a frente, é história marcada pelo Holiday, pelo Evolussamba, pelo Som Imaginário, pela turma do Clube da Esquina e pela afirmação de Bituca como um dos maiores cantores de seu tempo.
Milton e seus parceiros, como Ronaldo Bastos, deixaram pistas sobre suas intenções: “Plantar o trigo e refazer o pão de cada dia / beber o vinho e renascer na luz de todo dia / a fé, a fé, paixão e fé, a fé, faca amolada / o chão, o chão, o sal da terra, o chão, faca amolada / deixar a sua luz brilhar no pão de todo dia”. Não é à toa que, em outra parceria com Ronaldo Bastos, Milton cantou: “Eu já estou com o pé na estrada / qualquer dia a gente se vê / sei que nada será como antes, amanhã”.
No palco do Maracanãzinho, no Rio de Janeiro, o jovem cantor, violonista e compositor Milton Nascimento, poucos dias antes de completar 25 anos, nos dias 19 e 21 de outubro de 1967, há quase 46 anos, não poderia sonhar que, a partir de suas três músicas no II Festival Internacional da Canção – “Travessia”, “Morro Velho” e “Maria, Minha Fé” –, trilharia uma autêntica travessia rumo a uma das mais significativas trajetórias na Música Popular Brasileira da segunda metade do século XX e do início do século XXI e que se projetaria como um mestre do canto.
Milton sempre entrou de coração em tudo, desde os tempos de contrabaixista nos bailes de Minas Gerais, passando pelos encontros musicais do Clube da Esquina, pela projeção a partir do segundo lugar no II FIC-1967, até consolidar uma trajetória vitoriosa na Música Popular Brasileira. O cantor e compositor nunca perguntou para onde ia esta estrada, se jogou por inteiro no caminho, seguindo “o brilho cego de paixão e fé, faca amolada”. O importante sempre foi “deixar a sua luz brilhar e ser muito tranquilo / deixar o seu amor crescer e ser muito tranquilo / brilhar, brilhar, acontecer, brilhar, faca amolada / irmão, irmã, irmã, irmão de fé, faca amolada”, como em “Nada será como antes”, parceria com Ronaldo Bastos.
Milton nasceu às seis horas da tarde, a “Hora do Angelus”, do dia 26 de outubro de 1942, filho de Maria do Carmo do Nascimento, cozinheira por profissão, que deixou o bairro Dom Bosco, em Juiz de Fora, Minas Gerais, para trabalhar no Rio de Janeiro. Neste ano de 2013, ele completa 71 anos. A “Hora do Angelus” relembra para os católicos o momento da anunciação, feita pelo anjo Gabriel a Maria, da concepção de Jesus Cristo, como livre do pecado original. O seu nome deriva da frase: “Angelus Domini nuntiavit Mariæ”.
Bituca – apelido dado pela mãe adotiva Lília Silva Campos –, como era conhecido na família e entre os amigos, depois do segundo lugar na classificação geral e da premiação como melhor intérprete do II FIC-1967, inscreveria o nome Milton Nascimento no primeiro time de compositores e cantores que renovariam a MPB. Os festivais injetavam sangue novo no universo cultural brasileiro e a música ainda era uma das poucas manifestações de expressão popular no Brasil dos primeiros anos da ditadura militar.
Em entrevista exclusiva, publicada pela Tribuna de Minas, em Juiz de Fora em outubro de 1987, marcando os 20 anos da premiação de “Travessia”, durante o lançamento do disco “Yauaretê”, Milton confessaria: “Desde criança, eu sabia que ia mexer com a música. Nunca me enganei, nem minha família, nem nada. Todo mundo já sabia que era música mesmo. Apesar de morar em Três Pontas, que naquela época era longe, a estrada era de terra, sabia que ia sair e ia procurar...Se ia vencer, só Deus sabia, mas eu ia tentar. Acontece que a música caminha comigo como a minha alma. Por isso e pelo fato de cada canção refletir um momento meu, chega nas pessoas com a mesma intensidade que estou querendo botar pra fora, e aí não tem barreira de língua, não tem barreira de chão, não tem nada, em qualquer parte”.
Para ilustrar essa entrevista, o artista plástico Jorge Arbach criou com exclusividade uma imagem de forte impacto. Inseriu recortes dos olhos, do nariz e da boca de Milton num desenho de uma onça negra, um Yauaretê. A capa do referido disco trazia a foto de um Yauaretê e inspirou Arbach em sua criação. O resultado final da obra de arte é um desenho intenso e instigante.
O sucesso de “Travessia”, parceria entre Milton Nascimento e Fernando Brant, no II FIC-1967, projetou Milton como um cometa. Mas a criatividade e a qualidade musical do novo talento transcenderam os limites da passagem de um cometa e o transformaram num feixe de luz permanente a apontar caminhos na Música Popular Brasileira. O próprio Milton já afirmou: “Isso está nas mãos do que se quiser chamar, pode ser Deus, pode ser destino, pode ser o que for”.
Amigo de sempre e parceiro, Márcio Borges, em depoimento exclusivo, descreve a emoção que tomou conta da apresentação de “Travessia”: “De tarde nós saímos do hotel, todos no mesmo ônibus, rumo ao Maracanãzinho. Eu ia sentado ao lado de Toninho Horta, com quem havia classificado a dolorosa canção ‘Correntes’. Mas no ônibus só se falava no Bituca, o cara que havia classificado três canções, uma delas considerada a favorita para ganhar o festival. Senti uma emoção muito grande quando o ônibus ultrapassou os portões que davam direto no fundo do enorme palco. Parecia dia de futebol. As filas já davam volta no estádio e ainda nem era de noite. O ensaio geral foi impressionante. Astros e estrelas da música nacional e internacional circulavam em áreas restritas – e eu lá! Quando caiu a noite, vi o estádio encher-se de gente. Vi as arquibancadas se colorirem de todas as cores e matizes, cabelos, cartazes e bandeiras. Vi chegar a hora de ‘Travessia’. A favorita de todos. Bituca colocou o Maracanãzinho de pé e foi classificado. ‘Correntes’ ficou de fora. Fomos torcer pelo Bituca e pelo Fernando, que surpreendentemente, e contra todas as emoções presentes, inclusive a do vencedor Guarabyra, conseguiram apenas um segundo lugar. Na reapresentação da música, vencedora moral e imortal, o apresentador Hilton Gomes chamou os nomes de Milton Nascimento e Fernando Brant e eles saíram de perto de nós para voltarem ao palco. Eu e Gonzaguinha corremos atrás deles e nos sentamos no limite extremo entre a coxia e o palco, bem aos pés dos nossos amigos. Sei que quando vimos e ouvimos o Maracanãzinho cantar com os dois e soltar a voz nas estradas, não conseguimos conter a emoção. Eu e Gonzaguinha nos abraçamos e deixamos nossas lágrimas correrem soltas, molhando os ombros um do outro. Quarenta anos se passaram desde aquela noite. Mas aquelas lágrimas serão para sempre”.


Trajetória de sucesso


A trajetória do cantor e compositor mineiro mais carioca que existe – Milton nasceu no Rio de Janeiro, veio morar com a avó no bairro Dom Bosco, em Juiz de Fora e foi criado em Três Pontas – foi contada em detalhes na biografia “Travessia – A vida de Milton Nascimento” (Record), da jornalista mineira Maria Dolores, nascida em Belo Horizonte e criada também em Três Pontas. O livro, que está na segunda edição, é um mergulho na vida e na música de Milton e revela aqui e ali detalhes da consolidação do mestre do Clube da Esquina como um ícone da MPB.
Em depoimento exclusivo, Maria Dolores fala do livro, para dizer sobre Milton: “Essa biografia começou como projeto de conclusão do meu curso de Comunicação Social - Jornalismo, na Universidade Federal de Minas Gerais, em 2003. Eu queria fazer um livro reportagem de algo relacionado a Três Pontas, cidade onde cresci. Entre os temas mais interessantes – a cafeicultura, o Padre Victor (um padre negro milagreiro) e o Milton Nascimento – preferi fazer sobre o Milton. A idéia era contar a vida dele na cidade. Aproveitei um dia que ele estava em Três Pontas, criei coragem, e fui atrás dele. Disse que ia fazer o trabalho e pedi uma entrevista. Ele aceitou fazer. Uns quatro meses depois fui fazer a entrevista e aí eu já tinha realizado uma pesquisa sobre ele, e descoberto que não havia quase nenhum material biográfico do Milton, a não ser essas biografias resumidas de sites, revistas, etc.. O que tinha de mais completo era o livro do Márcio Borges, ‘Os sonhos não envelhecem – histórias do Clube da Esquina’, que é ótimo e tem o Milton como personagem principal, mas aborda só um período da vida dele, até bem extenso, e fala também dos outros personagens do Clube da Esquina. Resolvi então escrever uma biografia do Milton, a primeira, ainda mais ao descobrir o quanto a vida dele era incrível, como um romance”. O livro abrange o período que vai de 1939, antes mesmo de Milton nascer, até 2005.
Desde a primeira parceria com Fernando Brant, “Travessia”, Milton abriu alas para uma geração de grandes músicos e compositores mineiros e nunca transigiu sua arte, nunca aceitou os apelos fáceis da massificação. Na entrevista citada, Milton declarou incisivo: “A massificação vai bitolando a cabeça das pessoas e bitola a música popular brasileira também”. Assim, o cantor e compositor sempre procurou a qualidade musical, sabedor de que escolhera um caminho mais difícil, porém, passadas quatro décadas de seu batismo de fogo com a interpretação de “Travessia”, fica a certeza de que a criatividade e a qualidade resistem a tudo.
Fernando Brant, em depoimento exclusivo, afirmou que “a música de Milton Nascimento não se explica, ouve-se. Desde que o conheci, e à sua música, o Bituca é um repertório de surpresas interminável. Até hoje, quando ele me mostra algo que acabou de compor, sua genialidade não dá descanso. Ele me surpreende agora como me surpreendia 30 anos atrás. A melodia, o ritmo, a harmonia, ele sintetiza o mundo em suas músicas. Devo a ele não só o fato de encontrar uma profissão que me sustenta e dá prazer, como a oportunidade de colocar minhas palavras e minhas idéias em canções belas e diferentes. E, ainda por cima, ele as canta. Ele é fonte inesgotável da música popular brasileira, um gênio”.
Outro artista plástico que retratou Milton Nascimento com rara sensibilidade é Eliardo França. Um dos mais importantes ilustradores brasileiros da literatura infantil e infanto-juvenil, Eliardo também se consolidou como pintor e utilizou da técnica mista para criar o rosto de Bituca sobreposto à imagem de uma igreja barroca mineira. A fusão das imagens marca bem a essência das coisas mineiras no universo do cantor e compositor. Esta ilustração foi publicada com exclusividade em matéria sobre Milton em Portugal e depois ganhou uma versão digital para texto editado no Portal Cronópios, em São Paulo.


O artista é o arauto da liberdade


Na referida entrevista exclusiva publicada em Juiz de Fora, Milton adverte que criaram um tipo de música, um tipo de som, que virou tudo a mesma coisa e, num mercado fechado, a renovação de artistas é mais difícil, porque as grandes gravadoras determinam a política para a área musical, só investindo naquilo que elas acreditam que dá retorno. E revela: “Eu apareci numa época em que todo mundo estava brotando, com mil experiências diferentes, não tinha um som pasteurizado. Nos últimos tempos é mais difícil a pessoa nova ser ouvida, mas não impossível”. Já em 1987, Milton advertia na mesma entrevista publicada na Tribuna de Minas: “É terrível ver um país como esse, onde o músico se forma por esforço próprio, porque não tem escola, nem nada. O Brasil é um desamparo total, e com tantos músicos fantásticos tendo que tocar qualquer coisa, sem poder desenvolver seu próprio trabalho musical, é muito triste. E olhe que o país é rico, é tão grande, com tanta diversidade e o povo é muito musical. Mas prefiro não perder a esperança, porque o dia em que eu perder a esperança, paro de cantar, minha vida acaba”.
Para Milton, o Brasil é um país onde a mistura é tão forte que todas as influências que vierem nas coisas feitas honestamente virão para acrescentar, mas nunca para esmagar a cultura brasileira: “medo de influência esmagar eu não tenho nenhum não”. E arremata: “O lance da arte é a liberdade, o artista é o arauto da liberdade”.
Nélson Ângelo, parceiro dos primeiros tempos, em depoimento exclusivo comenta: “Meu primeiro contato com Milton Nascimento, meu amigo Bituca, deu-se no ano de 1964, em Belo Horizonte, logo após um show do grupo Opinião, realizado no Teatro Francisco Nunes. Desde então construímos uma sólida amizade que dura até hoje, pautada em muito respeito, atenção e paixão pela música. Sempre fomos parceiros em diferentes formas: como amigos, na vida, em trabalhos. Antes mesmo de ‘Travessia’, já curtíamos e nos admirávamos. Nesta época compus ‘Fim de caminho’, ‘Canto triste’ (anterior a do Edu e Vinícius; claro que mudei o título da minha!) e o Bituca tocava pra mim ‘Crença’ e ‘Terra’, parcerias dele com o Márcio Borges. No mesmo período, compus com o Valdimir Diniz a música ‘Ciclo do Ouro’, que foi muito elogiada pelo Milton. Ele foi um grande incentivador do meu trabalho. Mais tarde um pouco, ele e o Márcio fizeram uma que foi dedicada a mim (pelo menos foi o que me contaram), chamada ‘Irmão de fé’”.
Ainda segundo, Nélson Ângelo, “quando o Bituca conheceu o Fernando Brant, foram logo estreando com ‘Travessia’, e muitas outras que surgiram e marcaram seu lugar na história. Mais tarde, eu e ele fizemos ‘Sacramento’ e ‘Testamento’, ambas músicas minhas e letras do Milton. Mais tarde ainda, o samba enredo ‘Reis e Rainhas do Maracatu’, com mais dois parceiros: o Novelli e o Fran”. Portanto, assegura Nélson Ângelo, “minha opinião sobre o Milton e parcerias é abrangente da mesma forma como foi consolidada nossa amizade. Sou suspeito sobre todas as instâncias e circunstâncias. Ainda bem que a admiração e a boa impressão são compartilhadas com tantas pessoas mundo afora que conhecem o assunto”.
Travessia” é a primeira letra da vida de Fernando Brant, escrita sob pressão, jogada, num papel dobrado, na mesa da padaria São José, em Belo Horizonte. O nome da música foi inspirado no livro “Grande Sertão: Veredas”, do escritor mineiro Guimarães Rosa, que tinha como última palavra da obra o termo “Travessia”. O próprio Milton explicaria a escolha: “O importante não é a saída, nem a chegada, mas a travessia”.
A segunda letra de Brant foi “Outubro”, e o parceiro teria dito anteriormente a Milton: “Agora que você me pôs nessa, trata de compor outra música para eu colocar uma letra logo, senão estou perdido!”. O assédio da imprensa, logo após as apresentações no II FIC-1967, mexia com os dois tímidos compositores mineiros. O cantor, compositor e violonista Gilberto Gil, ex-ministro da Cultura no Brasil, disse certa vez que a timidez de Milton não é uma timidez pura, mas um ato de observação: “Ele é como essas pedras enormes da Gávea, quietas, silenciosas...observa tudo ao seu redor, fala com o olhar e, quando usa palavras, diz a coisa certa no momento certo”.
Caetano Veloso também fez revelações sobre Milton: “Ele é uma força profunda da expressão cultural brasileira, com raízes muito fortes na nossa história e com um talento na área da genialidade, uma coisa meio espiritual, e se há algo que a gente possa chamar de espiritual é exatamente isso, é quando alguém está ligado a tantas coisas tão importantes por fatores casuais, tantas vezes. Isso para mim é o caso de Milton, é o caso mais radical desse acontecimento no Brasil”.
Só mesmo Milton Nascimento para tornar permanente toda a emoção de coisas tão simples e fundamentais como as brincadeiras de crianças, a cumplicidade entre amigos de verdade, a pulsação de um povo na luta pela liberdade, a dor do amor e do desamor, tudo isso com “o coração aberto em vento, por toda eternidade, com o coração doendo de tanta felicidade”.
No livro, “Os sonhos não envelhecem – histórias do Clube da Esquina” (Geração Editorial), escrito por Márcio Borges, o parceiro e amigo mergulha na essência das vivências desde os tempos em que se conheceram no Edifício Levy, em Belo Horizonte, até a gravação do disco “Angelus”, em 1993. Este disco foi concebido por Milton para simbolizar sua trajetória de vida e seu compromisso com a música.


Milton e Bracher, a comunhão da criação


Um dos momentos mágicos vivenciados por Milton Nascimento, em Juiz de Fora, simbolicamente num dia dedicado à consciência negra, em 20 de novembro de 1999, foi quando o pintor mineiro Carlos Bracher, mergulhado nas cores e ao som das canções do Clube da Esquina e da Nona Sinfonia de Beethoven (1770 – 1827), pintou em óleo sobre tela, durante cerca de 1h30, o retrato do cantor e compositor, antecedendo uma apresentação no baile-show intitulado “Crooner”. Pela primeira vez, Bracher – um dos grandes pintores brasileiros – retratava um artista negro e foi buscar inspiração no erê que dá vivacidade a Milton Nascimento.
Ao expressar o menino que impregna a alma de Milton de alegria e de generosidade, o pintor mineiro celebrava a eterna juventude do autor de “Travessia” (em parceria com Fernando Brant). E Milton estabeleceu com Bracher uma relação de intensidade imensurável. Simplicidade e criatividade de mãos dadas e corações abertos, estabelecendo um elo de cumplicidade e possibilitando um encontro de almas capazes de irradiar harmonia, onde cada um a seu modo criou as condições para estabelecer a alquimia das cores e dos sons. O artista da voz e o artista das cores unidos na comunhão da criação.
Ao reconhecer-se como um erê (como os meninos da capa do antológico disco “Clube da Esquina”, de 1972), Milton posou para o retrato de Bracher deixando fluir todo o sentimento de eternidade que sua música passa e que sua travessia revela, trilhando o caminho da criatividade e do compromisso com a cidadania cultural e com a vida. Como o romancista Guimarães Rosa e o poeta Carlos Drummond de Andrade, Milton Nascimento encarna em sua obra musical a essência de Minas Gerais, a alma brasileira e a universalidade artística dos grandes criadores. Como um mago das cores, Bracher tão- somente revelou essa magia num retrato com a força da emoção de Milton.
No verso do óleo sobre tela, o pintor escreveu: “Meu caro Milton, que assim seja, que este Deus da vida e da arte nos possa abençoar. Obrigado Milton, por essa força contida na sua vasta voz”. Entre a timidez e a felicidade estampada, o cantor, depois de trocar um forte abraço com o pintor, confidenciou ao jornalista, que acompanhou tudo, a satisfação de ter vivenciado aquele momento de intensa troca de energia e de revelação de sua alma de eterno menino nas cores densas e inspiradas de Bracher.
O retrato está na sala da casa de Milton no Rio de Janeiro.
(*)Jorge Sanglard é jornalista, pesquisador e produtor cultural. Escreve em jornais de Portugal e do Brasil







18.10.16

Concurso de Caricaturas do Chico Buarque

Vou botar no ar o "release" para dar uma ideia do Concurso. (Clique na imagem para ampliar e VER melhor) Inscreva seu material pelo site - link:
http://www.quemteviuquemteve.net.br/


CHICO BUARQUE é tema de concurso nacional de caricaturas


Estão abertas as inscrições para o concurso nacional de caricaturas “Quem te viu quem te vê”, que tem como tema o compositor Chico Buarque de Hollanda.

Promovida pelo Instituto Memória Musical Brasileira (IMMuB) e com curadoria do desenhista e agitador cultural Zé Roberto Graúna, a iniciativa vai selecionar 40 trabalhos autorais para fazer parte de um catálogo e também circular em exposição. E mais, as três melhores artes receberão prêmios em dinheiro. A inscrição é gratuita e deve ser feita pela internet.

Os desenhos serão avaliados por um corpo de jurados formado pelo desenhista profissional Cássio Loredano, pelo jornalista-ilustrador Bruno Liberati e pelo ilustrador e publicitário Eduardo Baptistão.

Os interessados, amadores ou profissionais, de todas as idades, devem acessar o site www.quemteviuquemteve.net.br e preencher a ficha de inscrição com nome completo, número de CPF, Estado onde reside, telefone e e-mail para contato. Após preenchimento dos campos, o proponente deverá anexar a caricatura e clicar em “Enviar”. Os trabalhos tem que estar na proporção do formato A3 (29,7 cm x 42 cm), nas extensões JPEG ou PDF, com resolução mínima de 150 DPI e com limite máximo de 2MB. A técnica gráfica é livre. As inscrições podem ser realizadas até o dia 13 de novembro de 2016.

Parte das comemorações dos 10 anos do IMMuB, o concurso, o segundo idealizado pela instituição, promete repetir o sucesso do anterior - “Noel é 100” – se consagrando como uma interessante forma de celebrar a música brasileira, com trabalhos autênticos e criativos.

De acordo com o diretor-presidente do IMMuB, João Carlos Carino, o projeto usa a linguagem da caricatura como uma inovadora alternativa para promover e registrar a memória musical do país.

Sobre Chico Buarque...
Conhecido por sua influência poética, melódica e harmônica, Chico Buarque nasceu no Rio de Janeiro, em 1944, e vem, desde então, construindo sua história com profunda paixão pela música, política e futebol. Filho do historiador Sérgio Buarque de Holanda e da pianista Maria Amélia Cesário Alvim, Chico cresceu rodeado por livros e manifestações artísticas.

Desde a década de 1960, Chico é conhecido como uma das personalidades mais importantes da música no país, tendo conquistado prêmios em festivais como da Música Popular Brasileira (1966), com sua composição “A banda”, interpretada pela cantora Nara Leão; assim como no III Festival Internacional da Canção (1968), com a música “Sabiá”, escrita em parceria com o maestro e compositor Tom Jobim.

Ao longo da carreira, fez parcerias com compositores e intérpretes de grande destaque, entre eles, Vinicius de Morais, Tom Jobim, Toquinho, Milton Nascimento, Caetano Veloso, Edu Lobo e Francis Hime. A discografia do artista conta com mais de 30 discos e cerca de 400 canções autorais.

O IMMuB...
Organização não governamental sem fins lucrativos com sede em Niterói-RJ, tem como objetivo documentar, catalogar e divulgar o acervo musical brasileiro, passado e presente, através da manutenção e atualização de um banco de dados virtual. O resultado é o maior arquivo online de informações, sons e imagens da discografia brasileira, disponível na internet para consultas gratuitas.

Com 10 anos de estrada, a entidade já mapeou e catalogou mais de 81 mil discos produzidos no país. Isto equivale a aproximadamente 500 mil fonogramas, reunindo cerca de 90 mil compositores e intérpretes. O trabalho abrange toda a história da música brasileira, desde a primeira gravação, em 1902, até os lançamentos mais recentes.

O Instituto atua também como produtora cultural e já realizou diversos projetos como shows, produção de livros, ciclos de pensamento, CDs e DVDs, além de eventos de grande porte como “3o Salão da Leitura de Niterói” e o “Niterói – Encontro com América do Sul”. O IMMuB promove, ainda, atividades voltadas para educação musical, bem como a formação de grupos, bandas e orquestras. Saiba mais em www.immub.org.br.



13.10.16

Caricatura de Dario Fo

Dario Fo, autor entre outras obras de "Morte acidental de um anarquista" faleceu hoje.
Ele também recebeu o Prêmio Nobel de Literatura em 1997.
Meu querido amigo Julio Lubetkin, que vive na Itália, publicou uma homenagem ao genial dramaturgo italiano utilizando uma caricatura que fiz dele.
Quero agradecer aqui de coração ao Julio, pois faz algumas horas que estou procurando em vão essa caricatura na bagunça da minha mapoteca. Ainda bem que cedi uma cópia a você. Viva Dario Fo!!!
(Clique na imagem para ampliar e VER melhor)

Caricaturas de Bob Dylan - agora Prêmio Nobel de Literatura

Do fundo do baú e da boca do forno: dois momentos de Bob Dylan, que acaba de ganhar o Nobel de Literatura.
Polêmicas à parte , as letras do bardo americano são geniais.
A primeira caricatura que aparece aqui (colorida), faz parte de um conjunto maior que foi capa da revista Programa do old JB , na época em que Bob Dylan se apresentou com os Rolling Stones aqui no Rio. A segunda (apresenta Bob Dylan quando jovem) é uma ilustração do livro (lançado faz pouco tempo) "Diários da Patinete - sem um pé em Nova Iorque", da escritora Lidia Santos.
Em "All Along The Watchtower" ele diz:
"There must be some way out of here," said the joker to the thief,
"There's too much confusion, I can't get no relief.
Businessmen, they drink my wine, plowmen dig my earth,
None of them along the line know what any of it is worth...
"
Nada mais atual, he he

(Clique nas imagens para ampliar e VER melhor)

12.10.16

Caricatura de Cartola


Do fundo do baú: (reformulada) caricatura de Cartola. Viva ele!!!
(Clique na imagem para ampliar e VER melhor)

8.10.16

Grande Sertão/ Estudo

Estudo em ecoline e aquarela para série "Grande Sertão". Não sei se vai evoluir para tela ou se vai ficar na fase de desenho. Esta arte foi feita em homenagem ao traço de Aldemir Martins.
(Clique na imagem para ampliar e VER melhor)

6.10.16

Caricatura de Ulysses Guimarães/ 100º aniversário dele

Do fundo do baú: Charge que fiz tendo Ulysses Guimarães como objeto. Foi publicada, creio, no dia 25/01/1988 no old JB (na verdade não sei se foi no mês de janeiro (01) ou julho (07), pois a letra do diagramador não estava muito clara nesse ponto da data).
Hoje se comemora o 100º aniversário desse grande político, que ao que parece, na data em que fiz esta charge, ele, como bom cacique, estava passando por dificuldades na tribo e na relação com a oposição.
(Clique na imagem para ampliar e VER melhor)