13.2.10

Bloco do Foucault sai da arqueologia e cai no samba rasgado


Neste ano vou sair no Bloco do Foucault. O Samba que leva o bloco pelas ruas imprevisíveis da imaginação carnavalesca tem por título "A Ordem do Discurso - Vigia que eu puno!". Na genealogia do cavaco teremos Bigodão - o famoso Friedrich; no pandeiro o nosso maravilhoso metafísico Shopenhauer, chamado também de Shope, ou Chopp (dependendo do degrau alcoólico do mesmo) e abrindo o berro no gogó, Derri, que disse que nesse ano dá um dó maior de arrebentar a boca do balão. Com esse calor, toda bebida é bem vinda, só não vale mijar no muro- apesar de ser humano, demasiado humano! É que também existe (sem prova se falso ou verdadeiro) o Bloco do Tudo que entra Sai, dado a uma prática escatológica que deixa nossas ruas intransitáveis, "odoriferamente" falando - é claro.

4 comentários:

disney disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Julia Liberati disse...

Li isso e lembrei de vc, caiu como uma luva pro seu bloco imaginário!

Olodum tá Hume / Olodum tá Popper / Olodum tá Hegel / Olodum tá Locke / Olodum Foucault de vez

LIBERATI disse...

Oi Ju, só fui ver seu comentário agora, porque fiquei meio perdido no meio desse calor infernal e nem quase botei os olhos direito no blogue. Estudei de fato o tal do Foucault que cai na prova da pós-graduação. Achei sensacional esse batuque com os filósofos. O pior é que o meu bloco imaginário empacou, e não era para ser diferente. Parei na tal da "vontade de poder", que parece sacanagem mas é coisa de filósofos como no filmete do Monty Python - aquele no qual rola um jogo de futebol com todos os filósofos e cada um chuta uma bola para um lado diferente da do outro (cada um tem a sua bola - assim como acontece com a filosofia- cada dum defende um caminho). No caso do filme, eles demoram para começar o jogo, numa indecisão danada. Os caras do MP pegaram o espírito da coisa quando se trata de filosofia. Cada um na sua e Deus contra (quando ele não está morto, como para Hegel, antes de Nietzsche, por supuesto - os dois decretaram a morte de Deus em épocas diferentes).
Fiquei curioso de onde você tirou esse batuque do Olodum com os filósofos.
bjs

TS disse...

Adorei.
Faltou citar que, mais do que Sinatra (seu post bem aí pra cima), o Rio tem mais a ver com ORSON WELLES - não era filósofo, mas era um pensador genuíno, "n'est-ce pas, Monsieur Fucô?".

Tbm fiquei curiosa c/ o canto da sua filhota - de que recanto filo-baiano saiu?