3.3.10

Curso de Filosofia na Casa do Saber a partir de 9 de março


Imperdível é o Curso de Filosofia e Literatura - Um diálogo para expandir o Pensamento e a Criação. Será ministrado pela Professora Maria Cristina Franco Ferraz na Casa do Saber, na Avenida Epitácio Pessoa, 1164 - Lagoa - Rio de Janeiro - Telefone(21) 2227-2237 (222SABER).E-mail: inforio@casadosaber.com.br (A Casa do Saber funciona de segunda a sexta: das11h às 20h)
Conteúdo
Filosofia e Literatura são campos autônomos que, colocados em relação, são capazes de enriquecer ainda mais a percepção de mundo e o pensamento. A proposta desse curso é promover diálogos criadores entre temas filosóficos e textos literários brasileiros e alemães escritos por importantes autores, como Franz Kafka, João Guimarães Rosa, Heinrich von Kleist e Machado de Assis. Nem a Filosofia “explica” a Literatura, nem a Literatura “ilustra” a Filosofia: ambas se aproximam em sua idêntica luta contra os clichês, utilizando, cada uma, suas próprias armas. Experimentar esse diálogo amplia o horizonte do sentir e do pensar.

Início: 09 MAR
Duração: 4 encontros semanais
Dias/horários: Terças-Feiras, às 20h (09/03, 16/03, 23/03, 30/03)
Valor: R$ 160,00 na inscrição + 1 parcela de R$ 200,00

09 MAR | 1. VERDADE NA GRÉCIA ANTIGA: “O SILÊNCIO DAS SEREIAS” (FRANZ KAFKA)
Serão retomados o antigo sentido grego de “verdade” (alétheia), como não-esquecimento, e a lógica da ambiguidade, que regia a palavra na Grécia Arcaica. A partir dessa temática, será discutido de que modo a releitura feita por Kafka de uma passagem da "Odisseia" enfatiza a ambiguidade e abala a racionalidade e o regime da contradição que prevalecem no pensamento ocidental

16 MAR | 2. SER E DEVIR: “A TERCEIRA MARGEM DO RIO” (JOÃO GUIMARÃES ROSA)
Na história da Filosofia ocidental, a visão predominante do ser foi ancorada na fixidez e na identidade, recalcando o devir. A partir do contraponto entre essa tradição hegemônica e a ênfase filosófica no devir (presente em filósofos como Heráclito, Nietzsche, Bergson, Deleuze), esse encontro irá retomar o conto “A terceira margem do Rio”, de Guimarães Rosa, em que a âncora é levantada e o rio transforma-se em uma terceira margem de puro movimento e passagem.

23 MAR | 3. CORPO, GRAÇA E MOVIMENTO: “SOBRE O TEATRO DE MARIONETES” (HEINRICH VON KLEIST)
Como Bergson sublinhou, pensamos o movimento geralmente a partir do imóvel. O corpo em movimento na Dança e o tema da graça favorecem novas abordagens, tanto do corpo quanto do próprio movimento. A partir dessa discussão, será apresentado o texto em que Kleist fala sobre a graça de um corpo e sua perda a partir da perspectiva de um bailarino.

30 MAR | 4. IMAGEM E CLICHÊ: “O ANEL DE POLÍCRATES” (MACHADO DE ASSIS)
Vivemos imersos em clichês. O conceito de imagem pode funcionar como contraponto crítico aos clichês, tal como em Bergson e Deleuze. No instigante conto de Machado de Assis “O anel de Polícrates”, a potência criadora de imagens é posta em xeque, por conta da tendência ao desgaste e ao esvaziamento das imagens em seu uso corrente, o que tem por efeito o empobrecimento do horizonte do que se pode dizer, sentir e viver.

Maria Cristina Franco Ferraz. Professora titular de Teoria da Comunicação da UFF. Mestre em Letras pela PUC-Rio e doutora em Filosofia pela Universidade de Paris I-Sorbonne, com estágio de pós-doutoramento no Centro de Pesquisa em Literatura e Cultura e no Instituto Max-Planck de História da Ciência, ambos em Berlim. Foi professora visitante em universidades como Paris VIII-Saint-Denis e Saint Andrews. É organizadora da coleção Conexões, da editora Relume Dumará, e autora das obras “Nietzsche, o bufão dos deuses” , “Platão: as artimanhas do fingimento” e “Nove variações sobre temas nietzschianos”.

Nenhum comentário: